Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Brasil

Ações da Petrobras caem mais de 10% após anúncio de reajuste e pessimismo no mercado

Combinação de cenário global negativo, queda do petróleo e incerteza sobre futuro da estatal prejudica ações

As ações da Petrobras operam entre as principais quedas do Ibovespa nesta sexta-feira (17), refletindo tanto um contexto negativo no mercado, com queda generalizada de ativos, quanto temores sobre possíveis interferências na estatal e sua política de preços.

Por volta das 14h50, a ação ordinária da estatal (PETR3) recuava 10,26%, cotada a R$ 28,96. Já o papel preferencial (PETR4) tinha queda de 9,8%, a R$ 26,23. Além da Petrobras, as principais empresas ligadas a commodities na bolsa recuam, como Vale, Gerdau, CSN e PetroRio.

Nesta sexta-feira, a estatal anunciou novos reajustes nos preços da gasolina e do diesel, justificados pela alta defasagem em relação aos preços internacionais e o consequente risco de desabastecimento devido à queda nas importações.

A gasolina subiu 5,18%, ou R$ 0,15 por litro, enquanto o diesel teve acréscimo no preço de 14,26%, equivalente a R$ 0,63 por litro.

O reajuste no preço do diesel foi antecipado pela analista de economia da CNN Raquel Landim. Segundo fontes, o conselho de administração da estatal decidiu pelo aumento em reunião na quinta-feira (16), marcada por divergências entre os conselheiros.

O anúncio foi criticado pelo presidente Jair Bolsonaro, que afirmou que a Petrobras “pode mergulhar o Brasil num caos” e destacando que o governo federal, enquanto acionista majoritário da empresa, é contra qualquer aumento nos preços dos combustíveis.

Flavio Conde, analista de ações da Levante Investimentos, afirma que o reajuste é positivo para a Petrobras, já que reduz a defasagem internacional para os padrões normais e deve melhorar os resultados financeiros da empresa no terceiro trimestre.

Para ele, as ações da empresa estão caindo nesta sessão, diferente do que ocorreu anteriormente, porque “conforme o preço da gasolina e do diesel, diminui a chance do presidente Bolsonaro ser reeleito e aumenta a chance do ex-presidente Lula ser eleito, e ele já disse em campanha que vaia abrasilerar os preços dos combustíveis, ou seja, não vão seguir a paridade de preço internacional, o que faria com que o resultado da Petrobras, que está sendo recorde”.

Outro ponto citado por ele é o posicionamento contrário do presidente da Câmara, Arthur Lira, ao reajuste, e a promessa dele de discutir a política de preços e possíveis alterações.

Entretanto, o desempenho da empresa acompanha o de outras petrolíferas pelo mundo, que recuam junto com a queda de mais de 5% no preço do petróleo devido a uma expectativa de desaceleração da economia e demanda menor, e das bolsas como um todo, com a saída de investimentos em meio à alta de juros em diversas economias.

Em comunicado, a Ativa Investimentos afirma que “entendemos que a ação foi desenvolvida por lideranças que estão de saída da companhia, o que impede a dissolução das assimetrias referentes ao tema para os próximos meses”.

Para a corretora, “ainda que as questões políticas intensifiquem as assimetrias e contribuam para uma maior queda do papel, a motivação principal para o movimento baixista segue sendo a adaptação dos mercados a nova realidade conjuntural deflagrada pelos últimos números de atividade e preços divulgados de forma global”.

Click PB

 
Redação Página1 PB
Fundado em junho de 2017, o Página1 PB é um portal de notícias sediado em Campina Grande (PB), que tem compromisso com o verdadeiro jornalismo. Afinal, o Jornalismo mudou. Mas a verdade não!