Ameaças a reeleição de deputados de CG – Por Lenildo Ferreira

Ameaças a reeleição de deputados de CG – Por Lenildo Ferreira

Candidaturas de prefeitos da região ameaçam deputados de Campina Grande

A reeleição em 2022 dos deputados estaduais com base em Campina Grande já não seria uma missão das mais fáceis, mas nomes como Tovar Correia Lima (PSDB), Moacir Rodrigues (PSL) e Manoel Ludgério (PSD) deverão enfrentar ainda mais algumas adversidades para tentar se manter na Casa de Epitácio Pessoa.

Os dois primeiros devem muito dos seus mandatos à liderança do ex-prefeito Romero Rodrigues (PSD) que, no entanto, deverá estar focado no desafio da sua própria candidatura no ano que vem.

Quanto a Ludgério, o que se aponta nos corredores políticos é a perda expressiva de prefeitos aliados. Dos três, no entanto, é o nome com maior probabilidade de reeleição.

Com atuações apagadas na Assembleia, o que tem provocado muita crítica – inclusive entre aliados em Campina Grande – os parlamentares deverão encontrar oponentes chegando com força para a disputa, inclusive prefeitos da região ou seus indicados.

À VISTA

Fábio Ramalho, prefeito reeleito de Lagoa Seca, é um dos cotados. Filiado ao PSDB, poderá embarcar no PSL de Julian Lemos para a disputa.

André Gomes (PDT), reeleito prefeito de Boa Vista, tem bastante peso para ser candidato ou, se optar por não concorrer, indicar a mulher, Carol Gomes (Pros), vereadora em Campina Grande.

ENGARRAFAMENTO

Há, ainda, outras possibilidades a tumultuar os planos dos atuais deputados. Mesmo nomes saindo do legislativo municipal poderão – e deverão – tirar votos preciosos de quem já está na ALPB.

QUAL?

Sobre o deputado Tovar, ainda resta a incerteza: será candidato à reeleição ou tentará uma vaga na Câmara Federal? A segunda opção cada vez mais parece pouco provável.

SALTO

Eva Gouveia (PSD) deverá assumir a presidência da Câmara Municipal em 2022 e ser candidata em outubro. A viúva do saudoso Rômulo Gouveia, que já foi deputada estadual, tende a concorrer, desta vez, à Câmara Federal.

EIS A (ETERNA) QUESTÃO

Assim como em 2010, 2012, 2014, 2016 e 2018, uma pergunta se repete para 2022: com quem estará o PP?

Por Lenildo Ferreira