28 de novembro de 2021
recadao@pagina1pb.com.br
Paraíba

Anderson Pila alerta que é preciso parar de colorir calçadas e reabrir cozinhas comunitárias em CG

O vereador campinense, Anderson Pila (Podemos) aproveitou os números apresentados pelo Secretário de Assistencia Social da PMCG Valker Neves Sales sobre as mais de 28 mil famílias em Campina Grande estão vivendo em situação de pobreza, ou extrema pobreza, ou seja, passando fome para cobrar do prefeito Bruno Cunha Lima uma ação efetiva para a situação.

“Desde o inicio desse ano, quando tomei posse no meu mandato na CMCG que alerto para essa situação de extrema preocupação que o povo passando fome, os números apresentados pelo Secretário Valker Neves Sales, na manhã desta sexta-feira, 15 comprovam minha preocupação sobre a situação caótica que vivenciamos”, afirmou Anderson Pila.

Anderson Pila cobrou a reabertura dos restaurantes populares e as cozinhas comunitárias afirmando que esta na hora de deixar os discursos de lado e partir para a ação efetiva de combate a fome. “Estamos vivendo um momento de extrema pobreza em virtude da pandemia, um momento delicado, os problemas da economia nacional e a falta de uma politica de Ação Social da Prefeitura de Campina Grande, que prefere colorir calçadas e ruas na cidade a abrir as cozinhas comunitárias e os restaurantes populares”, lamentou o vereador. 

O vereador ainda afirmou que a crise tem afetado as pessoas que perderam emprego e o poder de compra e com isso aumentando o número de campinenses que não tem o que comer.

“Uma situação alarmante e que tem nos preocupado desde o inicio de nosso mandato, urge uma posição do prefeito e de sua equipe, não tem mais o que esperar, pois quem tem fome tem pressa, é necessário reabrir logo os instrumentos que possam suprir esta necessidade dos mais de 70 mil campinenses que estão passando fome”, revelou Anderson. 

Redação Página1 PB
Fundado em junho de 2017, o Página1 PB é um portal de notícias sediado em Campina Grande (PB), que tem compromisso com o verdadeiro jornalismo. Afinal, o Jornalismo mudou. Mas a verdade não!