Chile tem 2ª maior cobertura vacinal contra covid-19 do mundo e mesmo assim aumento no nº de contaminados


Chile tem 2ª maior cobertura vacinal contra covid-19 do mundo e mesmo assim aumento no nº de contaminados

O Chile tem a 2ª maior cobertura vacinal contra covid-19 do mundo. Administrou a 2ª dose em 18,4% da população até esta 3ª feira (30.mar.2021), de acordo com o Our World in DataAinda assim, a média de novas vítimas do coronavírus está em ascensão.

As autoridades registraram 38 vítimas por dia de 17 a 23 de dezembro de 2020 –a semana anterior ao início da imunização. O número chegou a 103 nos 7 dias encerrados em 30 de março. Ou seja, média de mortes quase triplicou no período.

O infográfico abaixo mostra a evolução do percentual de chilenos vacinados com a 1ª e 2º dose, e também a evolução da média de mortes. Passe o cursor em cima das linhas para visualizar os valores:

Jonas Brant, Doutor em Saúde Coletiva pela Unesp (Universidade Estadual Paulista – Portal) e professor da UnB (Universidade de Brasília), explica que o percentual de chilenos vacinados ainda é baixo para que os efeitos sejam sentidos no número de mortes: “É difícil cravar esse número, mas especialistas sugerem que seria em torno de 70%”.

Brant também alerta que as pessoas que morreram de covid-19 nas últimas semanas contraíram a doença em momentos anteriores: “Existe aí um atraso de 15 a 18 dias da manifestação dos sintomas até o óbito. Além disso, no caso do Chile, o percentual de vacinados com a 2º dose só começa a aumentar de forma mais expressiva no início de março”.

Fredi Diaz Quijano, Doutor em Saúde Pública e professor do departamento de Epidemiologia da USP (Universidade de São Paulo), concorda: “Não dá para esperar que uma cobertura vacinal baixa tenha impacto nos óbitos”, afirma o professor.

Ele afirma que a natureza das vacinas empregadas contra covid-19 também dificulta a “imunidade de rebanho”:

“Hoje, em média, cada pessoa com covid-19 infecta em torno de 3 pessoas. Para interromper a cadeia de contágio, esse número teria que ser inferior a 1, o que exigirá que 2/3 da população esteja imunizada. E as vacinas contra covid-19 não imunizam, ou seja, não impedem o indivíduo de pegar e transmitir a doença. As vacinas impedem casos graves. Então uma pessoa vacinada pode transmitir para alguém que não está protegido, e essa pessoa pode desenvolver complicações e vir a morrer”, explica o professor.

De 10 doses aplicadas no Chile, 9 são da CoronaVac. A vacina previne completamente casos graves e mortes por covid-19, mas só impede o contágio em metade dos casos. O outro imunizante em uso no Chile é da Pfizer, que tem 95% de eficácia.

Ainda que parte da população esteja protegida de casos graves da doença, se o contágio continuar intenso, a tendência é que o número de vítimas siga em alta. Quijano acrescenta: “Até chegar perto de 100% de vacinados, ainda precisamos de medidas complementares [de contenção da doença]”.

Brant concorda: “A vacina vem como mais uma ferramenta de controle, mas ela não vai resolver o problema sozinha. A máscara não resolve sozinha, o distanciamento social não resolve sozinho. É parecido com um queijo suíço: cada barreira tem ‘buracos’, mas quando você junta todas, consegue uma proteção mais eficaz”.

Quijano alerta ainda que os dados de vacinação não podem ser interpretados de forma isolada: “Você precisa ver como estava a trajetória de mortes no Chile. Se ela já vinha em alta, pode ser apenas o desenrolar natural da pandemia. A vacinação pode não ter levado ainda a uma queda no número de mortes, mas contribuído para a estabilização da tendência”, afirma o professor.

O Chile enfrenta a 2ª onda da pandemia. O país tem 54.592 casos de covid-19 no país, entre confirmados e suspeitos. É o patamar mais elevado já registrado.


O infográfico acima apresenta a média de novos casos de covid-19 confirmados no Chile a cada 7 dias. A curva superou o momento mais crítico da pandemia de 2020, registrado em meados de junhoReprodução/Our World in Data -dados até 30.mar.2021

As autoridades voltaram a endurecer medidas restritivas. No sábado (26.mar), a região metropolitana de Santiago voltou a ficar em lockdown. Agora, mais de 70% dos chilenos estão em quarentena.

Quem desembarca no Aeroporto de Santiago precisa ficar em isolamento por 5 dias, ainda que apresente um teste negativo de PCR (aquele realizado com cotonete). O presidente,  Sebastián Piñera, adiou para maio a eleição para os membros da assembleia constituinte por causa do aumento de casos de covid-19.

Brant alerta que a má interpretação de dados da vacinação pode ser nociva: “há uma falsa sensação de segurança, que leva a uma maior exposição da população, o que aumenta o contágio”.

O sanitarista considera que o Chile vive um “cenário de risco”, mas alerta que a situação do Brasil “é muito pior”. O Brasil se aproxima da média de 3.000 mortes confirmadas por dia.