21 de outubro de 2021
recadao@pagina1pb.com.br
Paraíba

Fiscais de concurso público da PB reclamam de falta de pagamento de banca examinadora

Fiscais do concurso da Procuradoria Geral do Estado da Paraíba (PGE-PB) responsáveis pela aplicação da prova estão denunciando que, passados os prazos para pagamento, a banca examinadora contratada para o certame ainda não efetuou o pagamento pelos serviços prestados e que está previsto em um contrato coletivo assinado de forma virtual.

Segundo a denúncia, o Centro Brasileiro de Pesquisa em Avaliação e Seleção e de Promoção de Eventos (Cebraspe) deveria ter feito o pagamento em 27 de setembro, mas passados nove dias isso ainda não aconteceu. Os fiscais reclamam ainda que nenhum canal de comunicação foi aberto pelo Centro para tentar resolver o problema.

Procurado pelo G1, o Cebraspe informou por meio de nota “que está efetuando o processamento das informações dos colaboradores que trabalharam e esclarece que o pagamento será realizado até a próxima semana”. Diz também que “os canais de relacionamento com os colaboradores estão funcionando normalmente”.

Procurado pelo G1, o Cebraspe informou por meio de nota “que está efetuando o processamento das informações dos colaboradores que trabalharam e esclarece que o pagamento será realizado até a próxima semana”. Diz também que “os canais de relacionamento com os colaboradores estão funcionando normalmente”.

Essa, contudo, não é a versão dos fiscais. A advogada Gesilaine Barbosa, de 24 anos, diz, por exemplo, que a entidade ainda não deu nenhuma justificativa plausível. E que, no site do Centro, todas as vias de comunicações tornaram-se inviáveis. “Eles não atendem as ligações. Dizem que reclamação pelo Serviço de Atendimento ao Consumidor (SAC) não é a via adequada. E, na via adequada, não tem resposta. Nada surte efeitos”, reclama.

Enotícia
Redação Página1 PB
Fundado em junho de 2017, o Página1 PB é um portal de notícias sediado em Campina Grande (PB), que tem compromisso com o verdadeiro jornalismo. Afinal, o Jornalismo mudou. Mas a verdade não!