Ministro do STJ pede aposentadoria e Bolsonaro deve nomear novo ministro


Ministro do STJ pede aposentadoria e Bolsonaro deve nomear novo ministro

Ministro do STJ pede aposentadoria e Bolsonaro deve nomear novo ministro

Foi com surpresa que o mundo jurídico recebeu, há cerca de um mês, o anúncio da aposentadoria do ministro Nefi Cordeiro, do Superior Tribunal de Justiça. Aos 57 anos, abriu mão de outros 18 anos de magistratura, no que pode ser inesperado, mas não um movimento isolado. O Judiciário brasileiro vive uma revoada de magistrados.

O caso de Nefi é, hierarquicamente, o mais alto a recentemente abandonar a carreira. O anúncio foi feito durante sessão de julgamento da 6ª Turma do STJ, sem o conhecimento dos colegas, que não esconderam a surpresa. Sustos de saúde e a vontade de ficar mais com a família justificaram a decisão.

Recentemente, outros nomes de destaque seguiram o mesmo caminho. Em janeiro, a desembargadora Nizete Lobato se despediu do Tribunal Regional Federal da 2ª Região (RJ e ES) aos 66 anos, quase uma década antes da aposentadoria compulsória. Depois dela, Abel Gomes, também do TRF-2, pediu a aposentadoria, aos 62 anos.

Nesta semana, o ex-presidente da Associação dos Juízes Federais do Brasil Fernando Mendes também anunciou a aposentadoria: trocou a carreira pela advocacia.

Em 1º de abril, foi a vez do desembargador Ronei Danielli, do Tribunal de Justiça de Santa Catarina. Ele dedicará seu tempo à família e a outros projetos profissionais e sociais. No fim de 2020, Fábio Prieto, ex-presidente do Tribunal Regional Federal da 3ª Região, também se aposentou, aos 59 anos.

Conjur