19 de setembro de 2021
recadao@pagina1pb.com.br
Paraíba

‘Opera Paraíba’ retira 858 pacientes da lista de cirurgias só em agosto

Com o objetivo de acabar com a fila de espera por intervenções cirúrgicas eletivas em todo o estado, o Programa Opera Paraíba realizou, somente em agosto deste ano, 858 procedimentos cirúrgicos, contemplando igual número de pacientes. A meta é realizar 3.500 cirurgias nas especialidades de oftalmologia, otorrinolaringologia, ginecologia, proctologia e cirurgia geral até o final do mês de outubro.
A iniciativa é executada de forma itinerante pela Secretaria de Estado da Saúde (SES), por meio dos hospitais estaduais, descentralizando o atendimento que ficava restrito aos grandes centros. Os procedimentos obedecem a um cronograma de três meses, que teve início no mês de agosto. Os municípios encaminham a lista dos pacientes que já realizaram os exames e aguardam pelas cirurgias, mantendo assim a contrapartida com a realização do pré-operatório e a garantia do transporte até a unidade onde serão realizadas das intervenções.
O secretário de Saúde da Paraíba, Geraldo Medeiros, destaca a relevância do programa para melhorar a vida da população paraibana: “Quem aguarda uma cirurgia eletiva, via de regra, é um paciente menos grave, mas que sofre desconfortos naturais de uma enfermidade. Através do Opera Paraíba, estamos devolvendo a qualidade de vida destes paraibanos”, garante.
Das 858 cirurgias já realizadas nesta etapa do Opera Paraíba, 391 foram oftalmológicas e 467 cirurgias gerais. 
 
O programa foi suspenso por duas vezes por conta da pandemia: a primeira no início de 2020, com retorno em outubro do mesmo ano, e a segunda em março de 2021. A retomada mais recente aconteceu agora em agosto de 2021, com um calendário que prevê a retirada de milhares de pacientes da fila da espera até outubro.
Fonte: O Blog de Pianco
Redação Página1 PB
Fundado em junho de 2017, o Página1 PB é um portal de notícias sediado em Campina Grande (PB), que tem compromisso com o verdadeiro jornalismo. Afinal, o Jornalismo mudou. Mas a verdade não!