Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

DestaquesEleições 2022

Oposição até tenta, mas os egos não permitem composição

O excesso de reuniões e de egos têm atrapalhado qualquer composição das oposições no primeiro turno. Reunidos desde a quinta, 21, vários líderes da oposição Paraibana tentam montar uma chapa majoritária que possibilite derrotar o governador João Azevêdo.

A movimentação ocorrida desde a quinta tenta  trazer mudanças no quadro pré-eleitoral paraibano, de novo apenas a constatação do ego inflado dos opositores que não abrem mão de nada. As negociações mexem, de forma especial, com a chapa de oposição e poderá trazer para o cenário os partidos PL e PSC, este último do ex-prefeito Romero Rodrigues, mas ainda não conseguiram um denominador comum.

 

A dificuldade tem sido convencer o pré-candidato a senador Bruno Roberto (PL) a desistir da postulação para que aconteça a substituição. Outro detalhe, e ele já disse que não “abre nem para um trem”, é tentar trazer o comunicador Nilvan Ferreira (PL) para dentro da chapa. Porém, para ocupar a vaga de vice esbarrando nas bravatas do comunicador.

O substituto no espaço de senador seria do deputado federal Efraim Filho (União Brasil), que aparece na segunda colocação nas pesquisas no embate para a única vaga de Senado. Ele está atrás do inelegível Ricardo Coutinho (PT), réu em várias ações penais no âmbito da operação Calvário.

O pré-candidato a governador Pedro Cunha Lima (PSDB) até cede da intenção de postular, mas não dá a certeza da decisão e reitera que o tema se trata de “boato” para desestabilizar a sua campanha. O nome do ex-senador Cássio Cunha Lima (PSDB) também veio à tona.

Ainda nesta sexta até o meio dia não se tinha nenhum resultado positivo.É possível que essa movimentação de ontem possam surtir efeito, mas os egos não diminuíram.

 

Redação Página1 PB
Fundado em junho de 2017, o Página1 PB é um portal de notícias sediado em Campina Grande (PB), que tem compromisso com o verdadeiro jornalismo. Afinal, o Jornalismo mudou. Mas a verdade não!