Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Brasil

Paraíba e mais 12 estados têm mais beneficiários do Auxílio Brasil que trabalhadores com carteira assinada

A Paraíba e outros 12 estados têm mais beneficiários do Auxílio Brasil, programa social do Governo Federal e que transfere renda aos mais carentes, que trabalhadores com carteira assinado, revela levantamento do G1. Na Paraíba, enquanto pouco mais de 432 mil trabalhadores possuem carteira assinada, mais de 620 mil pessoas vivem da ajuda do Governo Federal.

De acordo com levantamento do g1, feito com base nos números do programa social fornecidos pelo Ministério da Cidadania e do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Previdência, em 13 estados o número de famílias que vivem do dinheiro do Auxílio Brasil é maior que o das que vivem da renda do trabalho formal, com vínculo CLT.

As maiores diferenças entre o número de beneficiários do auxílio e empregados com carteira assinada estavam nos estados do Maranhão (576.411 mais beneficiários do que CLT), Bahia (412.290), Pará (332.706), Piauí (241.874), Pernambuco (155.548), Paraíba (188.546), Alagoas (118.974) e Ceará (110.915).

Desemprego

O levantamento analisou ainda os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua do IBGE.

No primeiro trimestre, a taxa de desocupação ficou acima da taxa nacional – de 11,1% – em 13 estados e no Distrito Federal. Não surpreendentemente, estão entre eles 12 dos 13 locais que têm maior número de beneficiários do auxílio do que trabalhadores CLT.

Rendimento

De acordo com dados do Ministério da Cidadania, o valor médio do Auxílio Brasil foi de R$ 409,80 em março.

Quando se analisa por estados, os maiores valores médios foram registrados pelo Acre, Roraima e Amazonas, todos na região Norte.

Tá na Área

 
Redação Página1 PB
Fundado em junho de 2017, o Página1 PB é um portal de notícias sediado em Campina Grande (PB), que tem compromisso com o verdadeiro jornalismo. Afinal, o Jornalismo mudou. Mas a verdade não!