21 de outubro de 2021
recadao@pagina1pb.com.br
Política

PF defende prorrogação de inquérito em que Renan Calheiros é investigado por recebimento de propina

A Polícia Federal (PF) vê campo para aprofundar uma investigação sobre supostos pagamentos de propina ao senador Renan Calheiros (MDB-AL) e quer que a ministra do Supremo Tribunal Federal (STF), Rosa Weber, dê mais tempo para tocar as apurações. 

O inquérito da PF apura se o relator da CPI da Covid recebeu dinheiro de empresas do setor logístico e portuário em troca de influência em medidas provisórias (MPs) que tramitaram no Congresso Nacional.

As suspeitas são de que houve repasses a Renan por meio do lobista Milton Lyra, suposto operador financeiro do senador, em troca de benefícios na MP dos Portos e em outra MP, que desonerou a folha de pagamento a 14 setores da economia e alterou a contribuição patronal do INSS.

Os dois textos tramitaram no Senado em 2013, quando o alagoano era presidente da Casa.

O despacho que pede mais tempo para as investigações, assinado pelo delegado Dhiego Melo Job de Almeida no último dia 9, chegou ao Supremo na quarta-feira (22). 

Com base em um relatório policial concluído no final de junho, Almeida afirma que “ainda há linha investigativa viável para o aprofundamento das investigações”, sobretudo a respeito de pagamentos da gigante do ramo ferroviário ALL a empresas ligadas a Milton Lyra.

A PF identificou 3,2 milhões de reais em transferências eletrônicas da ALL a duas empresas, a Porte Projetos Terraplenagem e Construções Ltda e a Link Projetos e Participações Ltda, divididos entre cinco repasses, de novembro de 2013 a janeiro de 2014. 

As duas empresas operavam no mesmo edifício na Avenida Faria Lima, em São Paulo, onde, de acordo com a PF, outras investigações apontam estar baseada uma “estrutura de lavagem de dinheiro” capitaneada por Milton Lyra.

Terra Brasil Notícias

Redação Página1 PB
Fundado em junho de 2017, o Página1 PB é um portal de notícias sediado em Campina Grande (PB), que tem compromisso com o verdadeiro jornalismo. Afinal, o Jornalismo mudou. Mas a verdade não!