Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Cidades

Prefeitura de Campina Grande realiza sessão pública para credenciamento de grupos folclóricos

Na manhã desta quinta-feira (2), foi aberta a sessão aberta do chamamento público referente ao edital n° 001/2022, que teve por objetivo o credenciamento dos grupos folclóricos locais. A ação foi realizada pela Prefeitura de Campina Grande, através da Secretaria de Cultura (Secult).

A sessão foi uma etapa fundamental e prévia da contratação dos grupos folclóricos, com capacidade técnica de pelo menos um ano, a depender da demanda da Secult

A assessora jurídica da Secretaria, Elis Formiga, responsável pelo credenciamento, destacou a intenção do processo, reforçando não só a importância dada pela gestão no fomento da cultura, como também na lisura empenhada na sessão pública desta quinta-feira.

“Hoje estiveram presentes na sessão representantes dos quatro grupos: Caetés, Arius, Tropeiros da Borborema e o grupo Raízes. Depois de aberta a sessão procedeu-se à conferência da documentação, e após essa etapa seguiu-se para o sorteio dos grupos ficando estabelecido a ordem que deve ser seguida nas posteriores contratações”, disse a assessora.

 

A ordem definida, portanto, ficou: primeiro o grupo Caetés, depois Tropeiros da Borborema, em terceiro lugar ficou o grupo Ariús, e em quarto Raízes.

Roberto Gomes, diretor do Grupo de Cultura Popular Ariús, enfatizou que a transparência no credenciamento foi importante para o conhecimento de como será feita a contratação, bem como destacar a valorização dos grupos de Campina Grande.

“Estamos prontos e preparados para levar o que temos, e o que melhor representa, a nossa cidade. Todos que forem assistir, não só o Arius como os demais grupos de Campina Grande, que são bem renomados, podem esperar belas apresentações”, pontuou o artista.

Codecom

Redação Página1 PB
Fundado em junho de 2017, o Página1 PB é um portal de notícias sediado em Campina Grande (PB), que tem compromisso com o verdadeiro jornalismo. Afinal, o Jornalismo mudou. Mas a verdade não!