25 de setembro de 2021
recadao@pagina1pb.com.br
ColunistasDestaquesParaíba

Sem força e relevância no processo para 2022, PSDB aponta apoio a Romero para governo

Sem opção, rejeitado pela oposição e vivendo ainda resquícios de um passado que se foi, tentando emplacar a força suas decisões a executiva estadual do PSDB referendou na tarde desta quinta-feira (29) apoio à pré-candidatura do ex-prefeito de Campina Grande Romero Rodrigues (PSD) ao Governo do Estado, em 2022. Com uma fraca representatividade, perdido e com ausências sentidas.

O PSDB tentou criar expectativas com o lançamento do nome de Pedro Cunha LIma e não gerou respostas positivas, apostando sempre no nome do seu pai, o ex-senador Cassio Cunha Lima o Partido se vê alijado de forças para 2022 e corria riscos de ser isolado do processo.

O anúncio do apoio ao nome de Romero foi feito durante coletiva de imprensa e acontece dias após rumores de aliança política com o senador Veneziano Vital do Rêgo (MDB). Nos bastidores a ausência de Romero a coletiva mostra a falta de articulação e de relevância do PSDB as oposições no momento. Outras ausências sentidas foram do deputado federal Rui Carneiro e de Edna Henrique que se especula a saída do Partido para 2022.

Tentando criar um discurso de união e de abdicação que não existe Cássio tenta justificar o apoio a Romero como sendo um ato de projeto democratico, quando na verdade se trata de falta de representividade e força politica. “O que Pedro está fazendo aqui é o que Tovar fez em Campina Grande, onde ele abdicou da sua candidatura e hoje temos Bruno dando sequência ao trabalho de Romero. Quando Pedro abdica para permitir que Romero transite com desenvoltura é com esse objetivo, unir forças e apresentar propostas para Paraíba. Aqui estamos falando de projeto e isso será permitido para começar mais cedo, somar mais forças e levar mensagens à população”, disse o ex-senador Cássio Cunha Lima.

Desde o inicio do mês de julho que os parlamentares do PSDB criaram problemas com discursos de afastamento do nome de Bolsonaro e criando mal estar com lideranças identificadas com o presidente, isolando-se cada vez mais da oposição. A deputada Camila Toscano e o deputado Pedro Cunha Lima deixaram com Romero as articulações para alianças, mas afirmaram que a polarização nacional não pode afetar a eleição estadual. Essa proposta de fugir da polarização apaga ainda mais as forças de um PSDB que paga por ser sempre um partido que fica em cima do muro.

PSDB anuncia apoio à candidatura de Romero Rodrigues ao Governo em 2022 - F5 Online

“A partir do momento que as pessoas se sentem representadas, nós vamos dialogar para construir pontes. Há diferenças, mas não podemos deixar que a eleição estadual seja um mero reflexo da eleição nacional”, pontuou Pedro.

“Seguimos a linha de que Romero tem a liberdade de fazer alianças que ele achar conveniente. Temos a consciência plena que a Paraíba não pode continuar do jeito que está. Acho que caberá de verdade ao nosso pré-candidato a fazer a aliança que sairá vitoriosa em 2022”, frisou Camila.

Na verdade a decisão e anuncio de lançar Romero ao governo da forma como foi feita pelo PSDB tem mais cara de que jogaram o ex-prefeito de Campina Grande para as piranhas, mostrando que por trás de tudo isso pode haver outros interesses? 

Quais as mensagens que ficam: Cássio deve ser candidato a deputado federal, e Pedro poderá sair como suplente de senado em alguma candidatura. O PSDB corre o risco de atrapalhar mais Romero que o ajudar.

Especulações de aliança com Veneziano

As tratativas entre Cássio e Veneziano também foram alvos da coletiva e deixam os analistas com a pulga atrás da orelha para quem serve essa narrativa? Na entrevista coletiva hoje em João Pessoa, Cássio Cunha Lima reafirmou que mantém conversas com o senador Veneziano Vital do Rêgo (MDB). Descartou, porém, qualquer entendimento político.

“Não há de se espantar com qualquer relação. Começou com Vital, seguiu com Vitalzinho e hoje estabeleço com Veneziano uma relação respeitosa. Ele tem uma característica de um homem educado, de fino trato. Querer desdobrar isso na política faz parte das especulações que são feitas. Todas às vezes que procurei Veneziano, ele me recebeu e isso merece um agradecimento. O, além disso, vai para o campo das especulações”, justificou.

 

Redação Página1 PB
Fundado em junho de 2017, o Página1 PB é um portal de notícias sediado em Campina Grande (PB), que tem compromisso com o verdadeiro jornalismo. Afinal, o Jornalismo mudou. Mas a verdade não!