21 de outubro de 2021
recadao@pagina1pb.com.br
DestaquesEsportes

Times paraibanos já pensam em vender convites para jogos, após governo autorizar convidados em partidas

Em reunião realizada nesta quinta-feira, de maneira remota, o Governo do Estado liberou a presença de mil convidados para o jogo deste sábado do Campinense contra o Guarany de Sobral pela partida de ida das oitavas de final da Série D do Campeonato Brasileiro. O encontro contou com representantes de órgãos de segurança, a presidente da Federação Paraibana de Futebol (FPF), Michelle Ramalho, e foi comandada pelo procurador de Justiça do Ministério Público, Valberto Lira.

Apesar da liberação ter sido para convidados, a exemplo do que aconteceu nos jogos da Seleção Brasileira Feminina de Futebol contra a Argentina na Paraíba, a Federação Paraibana de Futebol (FPF) e o Campinense querem comercializar parte desses convites, o que não ocorreu nos amistosos do Brasil. Em muitos momentos da reunião, os convites foram chamados de ingressos.

Ficou marcada para a manhã desta sexta-feira uma visita técnica com comandantes do Corpo de Bombeiros e da Polícia Militar no Estádio Amigão, que vai ser palco da partida entre Campinense e Guarany de Sobral. A ideia é que os torcedores fiquem no setor Cadeiras e Arquibancada Sombra.

O presidente do Botafogo-PB, Alexandre Cavalcanti, também esteve na reunião, que contou ainda com representantes de órgãos sanitários. O Belo só deve voltar a jogar no Almeidão daqui a 15 dias, de modo que o dirigente ainda não revelou se pretende vender os convites.

Segundo Valberto Lira, se após a visita técnica, os representantes dos órgãos de segurança liberarem a presença dos mil convidados para sábado, ele avaliza.

– Ficou combinado que clube vai enviar os protocolos até amanhã ao meio dia para os órgãos de segurança. Só vamos homologar nos moldes que os comandantes liberarem. Só vai vender ingressos se a CBF liberar público – comentou.

G1

Redação Página1 PB
Fundado em junho de 2017, o Página1 PB é um portal de notícias sediado em Campina Grande (PB), que tem compromisso com o verdadeiro jornalismo. Afinal, o Jornalismo mudou. Mas a verdade não!